VOLTAR À PÁGINA INICIAL

 

O Amaro, o Azeite, e o Nosso Senhor dos Aflitos

O Amaro era um marítimo que nos seus últimos anos ganhava a vida apanhando as "cascas" do choco que geralmente era desperdiçado por todos. Certo é que estas "cascas" depois de moídas eram comercializadas.

O Amaro era também muito religioso e todos os dias ia ao Senhor dos Aflitos (nas traseiras da Igreja Grande) rezar. O sacristão, que gostava de fazer partidas aos mais simples que, como o Amaro, lá iam rezar e pedir, resolveu um dia brincar com ele.

Assim, ficou à espera que ele lá chegasse e começasse com os seus pedidos íntimos ao Senhor.

Quando este terminou e voltou as costas para se ir embora, o sacristão escondido por trás do Senhor dos Aflitos, fazendo voz de alma-penada-do-outro-mundo diz:

- Vê lá se para a próxima trazes um litrinho de azeite!

Lembramos que na época o azeite para além de ser utilizado para fritar ou temperar alimentos, também era utilizado para iluminação, em lamparinas próprias, pois não havia eletricidade. Era por isso, frequente os fiéis fornecerem o azeite para iluminação do "Senhor dos Aflitos".

O Amaro voltou-se, espantado com a voz do outro mundo, e olhando para o Senhor dos Aflitos, respondeu:

- Entãããã? Nãa me digas que também te ofereceram uma teca de peixe-espada p'ra fritar!...

© António Paula Brito de Pina - 2006